20 de novembro de 2010

O DUELO ENTRE O MENDIGO E RAUL



Há muitos anos ouvi uma historia interessante.

Havia um mendigo que vivia numa praça. Não era qualquer mendigo, daqueles que pediam esmolas e nada tinham a dizer. Era um mendigo com concepções, que vivia discursando uma mesma idéia por anos e anos. Era um idealista, revoltado com as instituições publicas. Um belo dia, certo senhor – que sempre passava pela praça – perguntou: Estes anos todos você repete as mesmas coisas e ninguém presta atenção. Ainda assim, você acredita que pode modificar as pessoas? O mendigo então olhou para ele e respondeu: Posso não modificar as pessoas meu senhor... mas no dia em que parar de falar, elas é que terão me modificado.

Gostava tanto desta historia que a repeti inúmeras vezes, desde o periodo escolar até a faculdade... mal sabia o tal mendigo que mesmo não conseguindo convencer ninguém, pelo menos havia conseguido transformar a minha mente, numa grande praça.

Mas um belo dia, durante a residência de clinica, diante de determinada situação me perguntei: Puxa vida... já atingi tantos objetivos nestes anos todos enquanto este mendigo fica lá parado na praça falando as mesmas coisas? Ele não evoluiu, não conseguiu nada com isso, não fez qualquer pessoa mudar, não adquiriu outros conhecimentos... e eu fico aqui glorificando-o? Pensando bem, será que é possível evoluir mantendo o mesmo ideal? A partir de hoje, não conto mais esta historia.

Não contei mais... até hoje.

Paradoxalmente, durante todos esses anos também gostava muito de uma musica de Raul Seixas, que dizia mais ou menos assim: “Eu prefiro ser uma metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”. Ah... eu também achava isto o máximo. E diante das minhas mudanças conceituais levadas pelo amadurecimento, sempre pensava nesta musica como um incentivo ao seguinte pensamento: Qual o problema em mudarmos? Que mal há em revermos nossos conceitos e simplesmente mudarmos nossas idéias? Por que nossos sonhos não podem simplesmente amadurecer com a gente?

Até que um dia – há poucos anos – ao ouvir esta musica novamente... simplesmente deixei de gostar. Como assim ser uma metamorfose ambulante? Que ideais e conceitos – realmente verdadeiros – sobrevivem às constantes mudanças? Não seriam então todos eles superficiais demais? Influenciáveis demais? Frágeis demais? Percebi que ao longo dos anos, esta musica na verdade não tinha nada a ver com minha personalidade. Costumo manter meus ideais e conceitos até mais do que gostaria.

Não a cantei mais... até hoje.

Então vejo-me aqui, entre o persistente mendigo da praça e o mutável e saudoso Raul. Se um contraria o outro, por que não concordo com ambos?

Sinto-me este mendigo quando penso de forma conservadora na prática medica. Podem surgir inúmeras mudanças, inúmeros avanços, da nanotecnologia à cirurgia robótica (conquistas certamente preciosas), mas são todos estes complementos ao que há de mais antigo no dia a dia do medico clinico: a anamnese, o exame clinico e a relação medico-paciente. Me transformo neste mendigo todas as vezes em que um paciente vem ao consultório com uma lista de exames para serem solicitados. Ele mesmo não quer ser examinado... já se consultou com o “Dr. Google”. Me transformo neste mendigo todas as vezes em que um paciente hipertenso reclama da não resolutividade dos anti-hipertensivos. Ele quer mais remédios, mas não se esforça para diminuir o sal da alimentação ou tomar os medicamentos de forma regular. Me transformo neste mendigo todas as vezes em que um paciente chega dizendo que tomou “os medicamentos da propaganda”, ou aqueles receitados na farmácia, convertendo-se à banalização da terapêutica (hoje as farmácias parecem lojas de conveniência, muito mais do que farmácias). Sim... em todas estas e outras inúmeras situações eu faço discurso... e não importa quanto tempo passe, quantas mudanças ocorram: eu não vou mudar.

Mas sinto-me também a “metamorfose ambulante” de Raul em outras questões da pratica medica. Há anos atrás, durante minha formação, achava errado um medico usar o computador no consultório, ao invés do papel e caneta. Mudei. Hoje sei que a informatização da medicina não aniquila a relação medico-paciente. Ela também é um complemento que pode vir a ajudar... e ainda minimiza o problema de não entendermos a letra de vários colegas. Há anos atrás considerava errado que os pacientes buscassem informações sobre sua doença na internet (Dr. Google). Hoje acho válido – desde que já não venham com o diagnostico pronto e a lista de exames a serem solicitados. Mas que, ao contrario, venham com uma maior noção de sua doença e dúvidas, tendo ciência do quanto é importante se tratar adequadamente. Há anos atrás era totalmente contra o uso de e-mails e celulares para me comunicar com os pacientes. Hoje acho que são importantes (com certo limite, logicamente), desde que eles venham nas consultas marcadas. Não está errado terem duvidas em determinadas situações, que os impossibilite de virem ao consultório. Assim, nestas e muitas outras situações realmente mudei. E continuo mudando, me adaptando a este contexto sempre mutável da pratica medica.

Neste sentido, como tudo na vida, analisando de um extremo ao outro vejo que a melhor opção é não ser radical. Mudar de idéias sem abrir mão dos ideais. Mudar condutas sem abrir mão dos valores. Mudarmos nós mesmos... sem perdermos nossa verdadeira essência. Somos todos um pouco mendigo e um pouco Raul. Aceitamos mudar... mas nem tanto.

Andrea Pio

8 comentários:

Carlos Pires disse...

Andreia:

Respondi finalmente ao interessante comentário que fez ao meu post sobre a experiência do Zimbardo. Peço desculpa pela demora.

Relativamente a este seu post. Por vezes digo: não quero mudar o mundo, mas não quero que o mundo me mude a mim (contexto para ajudar a interpretar: nunca acreditei em revoluções, apenas em reformas; nunca acreditei que se poderia construir uma sociedade perfeita, apenas uma um pouco melhor).
Não deixar que o mundo nos mude pode ser mau se não tivermos razão. Mas se tivermos razão e abdicarmos dela por conformismo, ganharemos o quê? Uma personalidade diminuída - e menos chatices no imediato, claro.

Andrea Pio disse...

Pois é Carlos...
Até as grandes pedras mudam a cada segundo. O fato de não estarmos vendo isto e de as mudanças serem mínimas... não significa que elas não estejam ocorrendo.

Eu é que agradeço pelo comentário.

Andrea

Augusto disse...

Andrea
Se fosse para escolher um dos dois, escolheria o mendigo. Terminei de ler e novamente olhei a imagem. Me senti este mendigo com o note, mas claro um pouco mais arrumado. Sem contaar que nao sou muito chegado ao raul seixas!

Nicole Rodrigues disse...

Pois eu prefiro não ser uma metarmofose, mas ser ambulante! rs

Que coisa boa foi voltar a visitar o seu blog e encontrar tudo de cara nova! Só o que não mudou foi a qualidade das suas crônicas e o prazer que sinto ao lê-las.

Um beijo grande Dra. Andréa!

Andrea Pio disse...

Augusto,
Bom, diante do seu comentário, sou obrigada a confessar - deixando de ser imparcial - que escolhi esta imagem justamente também por me sentir assim atualmente. Um mendigo se adaptando às mudanças...


Nicole,
Fico feliz novamente com sua presença aqui. Você sabe que sou fã dos seus poemas!

Obrigada!

Jones disse...

Oi Andrea, Feliz Natal antes de tudo!
E que 2011 seja maravilhoso!

Gostei deste texto... principalmente do final!

Jones

Andrea Pio disse...

Oi Jones,
Bom vê-lo aqui de novo! Fico feliz por ter gostado do texto.
Feliz Natal (atrasado) para vc também e um ano de 2011 repleto de saúde, paz e inúmeros motivos para sorrir.
Abraço.

Vanessa Fredrich disse...

Olá. Sou estudante de medicina do internato da UFPR. Nesses tempos de greve nas universidades, ameaça de redução de salário e perda de direitos médicos é bom encontrar um blog como o seu, inteligente e cheio de reflexões sobre a vida. É bom encontrar pessoas de bom senso e dispostas a compartilhar seus pensamentos com o mundo. Abraço.